Seguidores

Tecnologia do Blogger.
RSS

{PIADOLANDIA:107131} DEZ COISAS NORMAIS E CORRIQUEIRAS QUE HOJE SÃO TABUS

 
Nenhum vírus encontrado nessa mensagem.
Verificado por NORTON 360 PREMIER EDITION
 
1) Dirigir no colo do papai

 

papai

Primeira experiência ao volante de 10 entre 10 crianças que hoje tem mais de 40. Ainda é permitida com o carro parado, muito popular com os bebês.

2) Andar sem cinto de segurança

Eu comecei a andar com cinto apenas depois de começar a dirigir, ao redor de 1985. Não porque fosse mais esperto ou estivesse preocupado com a segurança, mas sim para permanecer sempre no controle do carro. Tente passar numa depressão ou lombada bem rápido sem cinto para entender o por quê; se você não parar no banco traseiro, está no lucro!

3) Andar no "chiqueirinho" do Fusca

346495515-chiqueirinho-do-fusca-2578896135-787x479

Aquele espaço entre o banco traseiro e a parede corta-fogo traseira do fusca é tecnicamente um porta-malas. Mas não importa, para as crianças que cresceram dentro do carro (que não foram poucas, convenhamos) aquilo era combustível de alta octanagem para a imaginação. Compartimento secreto, submarino, cama de um trem, cabine de comando da nave do Flash Gordon… Cadeirinhas de criança? Não existiam. E cinto de segurança era algo que quando existia no carro, não tínhamos idéia do motivo de tal existência. Talvez enforcar os irmãos mais irritantes. Sei lá.

Em viagens, dormir no chiqueirinho era um privilégio muitas vezes disputado a pescotapas, o que as vezes fazia o pai revoltado apelar para…:

4) Deixar a molecada abandonada no meio da rua

A primeira vez que o exasperado pai ameaçava parar e deixar todos os irmãos bagunceiros no meio da rua abandonados, era uma ameaça terrível demais para ser ignorada. Todo mundo ficava quieto e a bagunça acabava imediatamente. Mas com o tédio da viagem, o furdunço inevitavelmente continuava, e os anjinhos inocentes no banco de trás começavam a achar que, na verdade, um pai legal como o deles nunca ia abandoná-los no meio da rua…

 

23a88143ea9202e64beb0e8c31452c1e

O menino de chapéu não consegue ficar sentado nem para tirar uma foto de propaganda!

Era a hora do pai usar a mais infalível arma de seu vasto arsenal de então: realmente parava o carro e tirava os moleques de lá aos gritos, e ia embora. Uma volta no quarteirão era tempo o suficiente para que nunca mais duvidassem dele!

"Só voltei porque sua mãe me implorou! É bom não me torrarem a paciência nunca mais!"

5) De pé saindo pelo teto solar

teto2

Na primeira vez que fiz isso, ainda moleque, no Chevette 1977 branco do meu tio Luiz Carlos com um teto Webasto removível, achei a coisa mais incrível que se podia fazer em um carro. Hoje sei que não é a melhor (talvez esteja entre as 10 melhores usando calças), mas de qualquer forma, a experiência, hoje totalmente ilegal e irresponsável, me fez um amante de tetos que podem abrir até hoje. Pena que só meu cachorro pode meter a cara para fora dele legalmente, hoje. Peraí, será que pode?

6) Crianças na frente

dkw vemag 1965

Outro grande motivo para pescotapas entre irmãos nas raras vezes em que os dois pais não estavam juntos lá na frente. Ir na frente, feito adulto, era um privilégio disputadíssimo. E lembrem-se: ninguém usava cinto então, muito menos as crianças. Quando pequenas ficavam até de pé segurando aquele "pqp" no painel do fusca. Ou usando volantinho de brinquedo como esta da propaganda acima…

7) Todo mundo na caçamba da picape

Você não precisava de uma perua de sete lugares. Não precisava nem de Kombi ou microônibus, na verdade. Com jeitinho cabia todo mundo na caçamba da picape. Nossa tolerância para desconforto era maior, sim. Mas era compensada por uma capacidade de se divertir com coisas mais simples, uma alegria perene sem motivo aparente algum.

 

c10 1

Rolava até uma música ao vivo na viagem…

Certa vez, nos anos 1980, pegando carona do sítio de meu pai até a cidade mais próxima com mais seis amigos na caçamba de uma C20, estava rindo de algo e me inclinei para frente, ao mesmo tempo que a picape acertou um buraco na estrada de terra. Sentado como estava na traseira da caçamba, e somado ao momento gerado pelo meu movimento de cabeça para a frente, saí voando girando sobre mim mesmo, dando piruetas no ar. Fui cair sentado na estrada, olhando para trás do sentido em que nos movimentávamos, e, sem saber muito bem o que acontecera, meio que rindo ainda da piada de antes da pirueta, pensei: ué, onde foram parar todos? 

Os meus amigos juram que eu dei duas giradas no ar antes de chegar ao solo. Alguns dizem três. Com certeza foi um movimento composto também de um vetor lateral, para ter caído olhando para o lado oposto. Sinceramente não faço idéia do que aconteceu, felizmente não me machuquei, mas fico feliz por ter proporcionado incontáveis risadas a todas as seis testemunhas desde então.

8) Passear de pé segurando santantônio no buggy

 

77bf690a9652b7303e4b5069af035cee

Acredito que no Nordeste ainda seja praticado em dunas, mas na minha infância, andar de buggy era andar de pé tomando vento. Sim, em estradas, cidade, todo lugar. Pequeno prazer perdido no passado para sempre…

9) Três pessoas no banco dianteiro

Ah, os bancos inteiriços dianteiros… Os Opalas com três marchas na coluna foram uma parte mais constante em minha infância do que bala Juquinha e guerra de mamona. Entrar num Opala desses para mim é como voltar para casa.

 

1-1963-Chevrolet-Impala-Sports-Sedan

Que saudades dos bancos inteiriços dianteiros…

Certa vez, andando no Opala ao lado do meu avô, e com um primo mais novo no meio, estávamos rindo felizes sobre algo que não me lembro mais o que era. De repente, uma freada brusca, e meu priminho acerta o painel de frente, rindo. Paramos, e meu avô, preocupado, pergunta se tudo bem com ele, que estava em silêncio com a mão na boca. Quando tira a mão da cara e vira para nós, podemos ver um dente na mão do garoto, que já ria de novo com uma baita janelona bem na frente do sorriso. Felizmente, era um dente de leite já meio mole, que ele tinha medo de tirar. Caímos na gargalhada de novo!

10) Dar ou pedir carona

Andávamos em turma de garotos ao redor dos 10 anos, para todo lado. Caronas para a praia, saindo de sítios, para carregar bicicletas quebradas, eram extremamente comuns e corriqueiras. 

 

jef_2957

Hoje, quem faz isso?

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

0 comentários:

Postar um comentário