Seguidores

Tecnologia do Blogger.
RSS

{PIADOLANDIA:107406} 'Em três atos'


RIO — Envelhecer é perder a voz. É preocupar-se em não ser um fardo para os familiares. É, ainda, sentir as paixões da juventude — mas, tragicamente, não conseguir revivê-las.

Nathalia Timberg declama essas duras palavras com o olhar fixado no espectador, em "Em três atos", novo filme de Lúcia Murat que estreia na próxima quinta-feira. Mas a autoria das frases é de Simone de Beauvoir, que em "A velhice", de 1970, fazia uma reflexão sobre o tratamento que as sociedades dão aos idosos. A obra também desmistificava noções preconcebidas acerca da velhice.

A atriz discorda que aquelas palavras sejam pessimistas:

— São realistas. As pessoas gostam de escamotear a velhice. Mas a realidade é muito dura mesmo, principalmente para quem perde a sua condição de independência.

'Não me sinto velha ou inativa. Isso é o que me sustenta'

- NATHALIA TIMBERG 

Não é o caso de Nathalia. Aos 86 anos, ela vive uma de suas fases profissionais mais intensas. Além de lançar o filme, atualmente ensaia e faz aulas de canto para subir ao palco do Teatro Nathalia Timberg, na Barra da Tijuca, onde estreia, em janeiro, o espetáculo "33 variações", de Moisés Kaufman, em que vai encarnar a musicóloga Katherine Brandt.

— Não me sinto velha ou inativa. Isso é o que me sustenta. Claro, já é possível sentir a ação do tempo, mas é uma bênção o fato de o meu cérebro, a parte que eu considero mais nobre do corpo humano, não ter sido atingido. Se essa área continua intacta, é perfeitamente possível enfrentar esse momento da vida — diz.

CORPO, MORTE E DESPEDIDA

Assim, é com tranquilidade que ela fala sobre morte, um dos principais temas de "Em três atos":

'Tenho tanta perspectiva de realizar mais coisas que a ideia de morte se mantém afastada'

- NATHALIA TIMBERG 

— Meu horizonte, felizmente, caminha comigo. Tenho tanta perspectiva de realizar mais coisas que a ideia de morte se mantém afastada.

Como indica o título, o longa divide-se em três partes: corpo, morte e despedida. Em cada um deles, Nathalia e Andréa Beltrão vivem uma mesma personagem em fases diferentes da vida. A versão mais nova, entre várias tragadas de cigarro, comenta os sentimentos contraditórios de ter que lidar com o câncer da mãe. Não quer perdê-la, mas, ao mesmo tempo, sua morte representaria um alívio.

Todos os diálogos, inspirados em textos de Simone de Beauvoir, são ditos diretamente para a câmera, como num documentário. A alternância entre os pensamentos das duas mulheres oferece um retrato sobre a velhice: primeiro, o que ela acha que é. Depois, o que de fato é.

PUBLICIDADE


'Em três atos'

— Tenho 67 anos, e uma hora o envelhecimento bate em você — diz a diretora Lúcia Murat. — Decidi que falaria sobre isso no meu filme.

A decisão de como abordar o assunto foi formada aos poucos. A primeira inspiração surgiu quando a cineasta assistiu ao espetáculo "Qualquer coisa a gente muda", de João Saldanha. Pediu, então, que as duas bailarinas da peça, Angel Vianna, de 85 anos, e Maria Alice Poppe, de 38, reproduzissem a coregrafia diante de suas lentes. Por fim, inseriu as cenas de dança entre os depoimentos de Nathalia e Andréa, imprimindo a atmosfera lírica que desejava criar em torno do tema.

— O interessante é que, inicialmente, existe, no filme, uma certa raiva em relação à decadência da velhice. Mas a coregrafia das bailarinas, sobre dois corpos opostos e, ao mesmo tempo, complementares, oferece um contrapeso — diz a diretora, que em "A memória que me contam" (2012) já abordava o choque de gerações. — O fato de você ter mulheres como essas dançando também é uma afirmação da vida.





'Tenho tanta perspectiva de realizar mais coisas que a ideia de morte se mantém afastada'
- Nathalia Timberg

'Não me sinto velha ou inativa. Isso é o que me sustenta'

- Nathalia Timberg



--
--
Você recebeu esta mensagem porque está inscrito no Grupo "PIADOLÂNDIA" em Grupos do Google.
Para postar neste grupo, envie um e-mail para piadolandia@googlegroups.com
Para cancelar a sua inscrição, envie um e-mail para piadolandia-unsubscribe@googlegroups.com
Para ver mais opções, visite o grupo em http://groups.google.com/group/piadolandia?hl=pt-BR
AVISO: Não enviar e-mails sem (XXX) para qualquer tipo de conteúdo adulto e tragédias, (PPS) para power point, (link) se for postar somente endereços, (wmv ou vd) para vídeos normais, (POL) para assuntos relacionados a política.

---
You received this message because you are subscribed to the Google Groups "Piadolândia" group.
To unsubscribe from this group and stop receiving emails from it, send an email to piadolandia+unsubscribe@googlegroups.com.
For more options, visit https://groups.google.com/d/optout.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

1 comentários:

Blogger disse...

I got my first electronic cigarette kit at VaporFi, and I love it very much.

Postar um comentário